selinhos !!!!!!!!!!

selinhos !!!!!!!!!!

quinta-feira, 1 de novembro de 2012


De olho nas metas... Era uma vez um cocheiro que dirigia uma carroça cheia de abóboras. A cada solavanco da carroça, ele olhava para trás e via que as abóboras estavam todas desarrumadas. Então ele parava, descia e colocava-as novamente no lugar. Mal reiniciava sua viagem, á vinha outro solavanco e... tudo se desarrumava de novo. Então ele começou a ficar desanimado e pensou: "jamais vou conseguir terminar minha viagem! É impossível dirigir nesta estrada de terra, conservando as abóboras arrumadas!". Quando estava assim pensando, passou à sua frente outra carroça cheia de abóboras e ele observou que o cocheiro seguia em frente e nem olhava para trás: as abóboras que estavam desarrumadas organizavam-se sozinhas no próximo solavanco. Foi quando ele compreendeu que, se colocasse a carroça em movimento na direção do local onde queria chegar, os próprios solavancos da carroça fariam com que as abóboras se acomodassem em seus devidos lugares. Assim também é a nossa vida: quando paramos demais para olhar os problemas, perdemos tempo e nos distanciamos das nossas metas. (Desconheço o autor) ♥ ¸.•* Infinito Particular *•.¸ ♥
Receita para a beleza interior... 1 – Faça várias cirurgias plásticas: uma para corrigir o nariz empinado pelo orgulho e pela soberba; outra na correção da língua venenosa e ardilosa e nos lábios que demarcam sua tristeza interior; 2 – Drenagem linfática para retirar o orgulho, a inveja e a ingratidão; 3 – Lipoaspiração no egoísmo, no narcisismo e na hipocrisia; 4 – Diversos peelings profundos na culpa e no remorso; 5 – Faça uma dermo esfoliação nas cicatrizes deixadas pela falta de perdão e pelo ódio, assim como no rancor envelhecido; 6 – Uma máscara facial para retirar as expressões de mágoas e ressentimentos, igualmente nas asperezas da insensibilidade no trato com as pessoas. Depois complete com uma hidratação de sorriso e a alegria; 7 – Hidrate suas mãos todos os dias com a prática da solidariedade e da caridade; 8 – Coloque lentes coloridas da misericórdia e da paciência, iluminando seu olhar; 9 – Realize um implante de entusiasmo e atitude positiva; 10 – Turbine sua humildade e o desinteresse por questões materiais; 11 – Use botox para esticar a esperança e a fé; 12 – Realce o cabelo com luzes da consciência tranqüila e da paz de espírito; e 13 – Finalize com uma hidromassagem, usando sais da generosidade e pétalas da tolerância, que é bom para o coração e a alma. Obs.: Esses ingredientes não são encontrados nas melhores lojas do ramo. Estão dentro de você! Pense nisso! (By: site espaço saúde)

quarta-feira, 2 de maio de 2012

sábado, 28 de abril de 2012

UM DIAMANTE ARRANHADO


UM DIAMANTE ARRANHADO

Um rei possuía um valioso diamante, um dos mais raros e perfeitos do mundo. Um dia o diamante passou por um grave acidente e um arranhão estragou sua face. O rei chamou os melhores peritos para que tentassem corrigir a imperfeição, mas todos concordaram em que não poderiam retirar o arranhão sem desperdiçar uma parte do diamante, reduzindo assim o seu peso e diminuindo drasticamente o valor da preciosa jóia.


Um belo dia apareceu no palácio um desconhecido artesão, que disse: Tenho observado atentamente o trabalho do maior artesão de todos os tempos, e com ele muito aprendi. Posso lhe garantir que repararei o diamante sem reduzir o seu valor. Sua confiança era tanta que, convencido, o rei entregou o diamante ao homem.

Depois de alguns dias, o artesão retornou e entregou a jóia ao rei. Ao ver o diamante o rei logo notou que ele ficara ainda mais bonito e certamente mais valioso. Ele ficou surpreso ao descobrir que o feio arranhão havia se transformado em uma belíssima flor! O rei, empolgado, exclamou: Que belo trabalho! que idéia brilhante. Recompensou dignamente o homem e perguntou-lhe: Diga-me bom homem, quem é este grande artesão que é seu mestre e lhe ensinou tão belas coisas? O artesão respondeu: Tenho aprendido com Deus, o grande artesão da vida. Ele está sempre transformando nossos arranhões, tristezas e desilusões em algo belo. E nos ensinando a não permitirmos que as decepções da vida diminuam o nosso valor. Ele nos ensina a permitirmos que Ele trabalhe em nós, e a vivenciarmos as experiências com os olhos fitos nEle, para que nos tornemos pessoas melhores, mais fortes mais bonitas e acima de tudo mais valorosas.

 
As experiências que vivenciamos hoje certamente são parte deste processo de aprendizado e valorização. Não permita que estas determinem como você deve viver nem diminuam o seu valor. Creia firmemente que você vai sair desta com vitória e que o melhor de Deus ainda está por vir.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

ACREDITE NA VIDA


ACREDITE NA VIDA



Acreditar na vida

É ter esperança no amanhã

Saber que após a noite vem o dia.

Não invadir o espaço alheio

Ser espontâneo

Amar as pessoas incondicionalmente.

Aproveitar todos os momentos...

Confiar na voz da intuição

Perdoar as pessoas

Ter pensamentos positivos

Respeitar os sentimentos dos outros

Ser sincero

Encontrar a felicidade nas pequenas coisas

Entender que somos pessoas únicas

Ter motivação!

Enxergar além das aparências

Descobrir que precisamos dos outros

Esquecer o que passou.Buscar novos horizontes

Perceber que somos humanos

Vencer a nós mesmos

Ver a beleza da alma

Sair da passividade

Saber que a vida é conseqüência de nossas atitudes

Não procrastinar as decisões

Mimar a criança interior

Deixar acontecer...

Curta as pequenas vitórias

Viva apaixonado pela vida

Visualize só coisas boas

Entenda que há limites

Tenha auto-estima

Veja a vida com outros olhos...

Saber que estamos só de Passagem...

Melhorar os relacionamentos

Aproveitar as oportunidades

Ouvir o coração

Acreditar em você.





“Desconfie do destino e acredite em você.

Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando…

Porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive, já morreu…”

Luiz Fernando Veríssimo

domingo, 22 de janeiro de 2012

Ostra Feliz Não Faz Pérola


Ostra Feliz Não Faz Pérola

"Ostras são moluscos, animais sem esqueletos, macias, que são as delícias dos gastrônomos. Podem ser comidas cruas, de pingos de limão, com arroz, paellas, sopas. Sem defesas - são animais mansos - seriam uma presa fácil dos predadores.
Para que isso não acontecesse a sua sabedoria as ensinou a fazer casas, conchas duras, dentro das quais vivem.
Pois havia num fundo de mar uma colônia de ostras, muitas ostras. Eram ostras felizes. Sabia-se que eram ostras felizes porque de dentro de suas conchas, saía uma delicada melodia, música aquática, como se fosse um canto gregoriano, todas cantando a mesma música. Com uma exceção: de uma ostra solitária que fazia um solo solitário... Diferente da alegre música aquática, ela cantava um canto muito triste... As ostras felizes riam dela e diziam: "Ela não sai da sua depressão..." Não era depressão. Era dor. Pois um grão de areia havia entrado dentro da sua carne e doía, doía, doía. E ela não tinha jeito de se livrar dele, do grão de areia. Mas era possível livrar-se da dor.
O seu corpo sabia que, para se livrar da dor que o grão de areia lhe provocava, em virtude de sua aspereza, arestas e pontas, bastava envolvê-lo com uma substância lisa, brilhante e redonda. Assim, enquanto cantava o seu canto triste, o seu corpo fazia o seu trabalho - por causa da dor que o grão de areia lhe causava.
Um dia passou por ali um pescador com seu barco. Lançou a sua rede e toda a colônia de ostras, inclusive a sofredora, foi pescada. O pescador se alegrou, levou-a para sua casa e sua mulher fez uma deliciosa sopa de ostras. Deliciando-se com as ostras, de repente seus dentes bateram num objeto duro que estava dentro da ostra. Ele tomou-a em suas mãos e deu uma gargalhada de felicidade; era uma pérola, uma linda pérola. Apensa a ostra sofredora fizera uma pérola. Ele tomou a pérola e deu-a de presente para a sua esposa. Ela ficou muito feliz..."
Ostra feliz não faz pérolas. Isso vale para as ostras,e vale para nós, seres humanos.
As pessoas que se imaginam felizes simplesmente se dedicam a gozar a vida. E fazem bem. Mas as pessoas que sofrem, elas têm de produzir pérolas para poder viver. Assim é a vida dos artistas, dos educadores, dos profetas. Sofrimento que faz pérola não precisa ser sofrimento físico. Raramente é sofrimento físico. Na maioria das vezes são dores da alma.

Rubem Alves

A Síndrome do Sapo Fervido


E aí? Que sapo sou eu? Estático (e fervido) ou saltitante? Vale ler e refletir o texto do Rubem Alves. ------------------------------​------------------------------​-------- A Síndrome do Sapo Fervido "Vários estudos biológicos provaram que um sapo colocado num recipiente com a mesma água da sua lagoa, fica estático durante todo o tempo em que aquecemos a água, até que ela ferva. O sapo não reage ao gradual aumento da temperatura (mudanças do ambiente) e morre quando a água ferve. Inchadinho e feliz. Por outro lado, outro sapo que seja jogado neste recipiente, já com água fervendo, salta imediatamente para fora. Meio chamuscado, porém vivo ! Temos vários sapos fervidos por aí. Não percebem as mudanças, acham que está muito bom, que vai passar, que é só dar um tempo ! Estão prestes a morrer, porém ficam boiando, estáveis e impávidos, na água em que se aquecem a cada minuto. Acabam "morrendo" inchadinhos e felizes, sem ter percebido as mudanças. Sapos fervidos não percebem que, além de não serem eficientes (fazer as coisas), precisam ser eficazes (fazer as coisas certas). E para que isso aconteça, tem que haver um crescimento profissional com espaço para diálogo, para a comunicação clara, para o compartilhamento, para o planejamento e para a relação adulta. O desafio ainda maior está na humildade de atuar de forma coletiva. Fizemos durante muitos anos o culto ao individualismo e a turbulência exige, hoje, o espaço coletivo, que é a essência da eficácia como resposta. Tornar as ações coletivas exige, fundamentalmente, muita competência interpessoal para o desenvolvimento do espírito de equipe, exige saber partilhar o poder, delegar, acreditar no potencial das pessoas e saber ouvir. Há sapos fervidos, que ainda acreditam que o fundamental é a obediência e não a competência, que, manda quem pode e obedece quem tem juízo! Acordem sapos fervidos! Saiam dessa! O mundo mudou! Pulem fora antes que a água ferva. Precisamos estar vivos, meio chamuscados, mas vivos e prontos para agir!" (Texto transcrito da obra "Teologia do Cotidiano")

domingo, 15 de janeiro de 2012

Viver é uma Arte”



Poema escrito pela senhora Elza Ribeiro Pinto, 80 anos, publicada no Livro "Amor Interminavel" ED. CBJ, Autor; Elza Ribeiro Pinto. Não apenas leiam, mas meditem nessas sabias palavras, viver realmente é uma arte, maravilhoso poema.

Viver é uma Arte”

Não posso negar,
Os sinais de envelhecimento,
Que me perturbam.
Decidi encarar meus problemas,
Diante das mudanças que sinto em mim.
Confronto-me no espelho,
Para não me iludir, e
Reparo bem: cabelos brancos,
Olhar sem brilho, rugas, vista fraca,
Memória confusa, cansaço, dores...
Lembro minha imagem de trinta anos atrás,
Mais agradável.
Mas devo aceitar a nova.
Viver é uma arte!
Há também, lembranças gostosas,
Alegres e cheias de carinho.
Muitas experiências de vida para ensinar.
É madrugada, chegou o ano novo.
No céu as estrelas brilham,
E o luar inunda tudo de luz.
Estou feliz!
Não estou só.
Viver é uma arte!
Obrigada Senhor pela minha família!

Autoria: Elza Ribeiro Pinto
Fonte: Blog VERSEIRO

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Fernando Pessoa


Quero tudo novo de novo. Quero não sentir medo. Quero me entregar mais, me jogar mais, amar mais.
Viajar até cansar. Quero sair pelo mundo. Quero fins de semana de praia. Aproveitar os amigos e abraçá-los mais. Quero ver mais filmes e comer mais pipoca, ler mais. Sair mais. Quero um trabalho novo. Quero não me atrasar tanto, nem me preocupar tanto. Quero morar sozinha, quero ter momentos de paz. Quero dançar mais. Comer mais brigadeiro de panela, acordar mais cedo e economizar mais. Sorrir mais, chorar menos e ajudar mais. Pensar mais e pensar menos. Andar mais de bicicleta. Ir mais vezes ao parque. Quero ser feliz, quero sossego, quero outra tatuagem. Quero me olhar mais. Cortar mais os cabelos. Tomar mais sol e mais banho de chuva. Preciso me concentrar mais, delirar mais.
Não quero esperar mais, quero fazer mais, suar mais, cantar mais e mais. Quero conhecer mais pessoas. Quero olhar para frente e só o necessário para trás. Quero olhar nos olhos do que fez sofrer e sorrir e abraçar, sem mágoa. Quero pedir menos desculpas, sentir menos culpa. Quero mais chão, pouco vão e mais bolinhas de sabão. Quero aceitar menos, indagar mais, ousar mais. Experimentar mais. Quero menos “mas”. Quero não sentir tanta saudade. Quero mais e tudo o mais.
“E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha".

Fernando Pessoa

Desejo


Victor Hugo

Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.
Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.
Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.
Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra ,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você sesentirá bem por nada.
Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
Eque pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga `Isso é meu`,
Só para que fique bem claro quem é o dono dequem.
Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar esofrer sem se culpar.
Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,

E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

MUDANÇA


MUDANÇA


Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa. Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua. Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando com atenção os lugares por onde você passa.
Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas. Dê os seus sapatos velhos. Procure andar descalço alguns dias. Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia, ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos.
Veja o mundo de outras perspectivas.
Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda. Durma no outro lado da cama... Depois, procure dormir em outras camas. Assista a outros programas de tv, compre outros jornais... leia outros livros.
Viva outros romances.
Não faça do hábito um estilo de vida. Ame a novidade. Durma mais tarde. Durma mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes, novos temperos, novas cores, novas delícias.
Tente o novo todo dia. O novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor.
A nova vida. Tente. Busque novos amigos. Tente novos amores. Faça novas relações.
Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes, tome outro tipo de bebida, compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa.
Escolha outro mercado... outra marca de sabonete, outro creme dental... Tome banho em novos horários.
Use canetas de outras cores. Vá passear em outros lugares.
Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes.
Troque de bolsa, de carteira, de malas, troque de carro, compre novos óculos, escreva outras poesias.
Jogue os velhos relógios, quebre delicadamente esses horrorosos despertadores.
Abra conta em outro banco. Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros, outros teatros, visite novos museus.
Mude.
Lembre-se de que a Vida é uma só. E pense seriamente em arrumar um outro emprego, uma nova ocupação, um trabalho mais light, mais prazeroso, mais digno, mais humano.
Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as. Seja criativo.
E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa, longa, se possível sem destino. Experimente coisas novas. Troque novamente. Mude, de novo. Experimente outra vez.
Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas, mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia. Só o que está morto não muda !
Repito por pura alegria de viver: a salvação é pelo risco, sem o qual a vida não
vale a pena!

***

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Respeite as diferenças


Respeite as diferenças
Conta-se que vários bichos decidiram fundar uma escola. Reuniram-se e começaram a escolher as disciplinas. O pássaro insistiu para que o vôo entrasse. O peixe, para que o nado fizesse parte do currículo também. A toupeira achou que cavar buracos era fundamental. O coelho queria de qualquer jeito a corrida.

E assim foi...

... Incluíram tudo, mas cometeram um grande erro. Insistiram para que todos os bichos praticassem todas as disciplinas. O coelho foi magnífico na corrida, ninguém corria como ele. Mas queriam ensiná-lo a voar. Colocaram-no numa árvore e disseram: - Voa, coelho! Ele saltou lá de cima e quebrou as pernas. Não aprendeu a voar e acabou sem poder correr também. O pássaro voava como nenhum outro, mas o obrigaram a cavar buracos como uma toupeira. Quebrou o bico e as asas, e depois não conseguia voar tão bem, nem cavar buracos.

Moral da história:

Todos nós somos diferentes. Cada um tem uma coisa de bom. Não podemos forçar os outros a serem parecidos conosco. Desta forma, acabaremos fazendo com que eles sofram, e no final, não serão nem o que nós queríamos, nem o que eles eram em sua essência.

(Autor desconhecido)